domingo, 12 de abril de 2015

RELACÕES EXTRA-CONJUGAIS É LIBERDADE

RELACÕES EXTRA-CONJUGAIS É LIBERDADE
A menos que você seja iluminado, as relações extra-conjugais são boas. Então, por favor tenha tantas quantas você pode ter antes de se tornar iluminado, porque uma vez que você esteja iluminado eu não posso ajudar-lhe! Então, você está acabado.

De vez em quando apenas uma pequena amostra de uma nova mulher, ou de um novo homem, revive o seu interesse na velha esposa ou no velho marido. Você começa a pensar: "Afinal de contas, ela não é tão ruim assim...". Um pouco de mudança é sempre bom.
Eu não sou contra as relações extra-conjugais. As pessoas que são contra essas relações realmente estão ensinando possessividade de uma maneira indireta. Quando eu digo que eu não sou contra as relações extra-conjugais estou ensinando você a não-possessividade. Basta ver o ponto: se eu falo sobre não-possessividade as pessoas pensam: "Isso é espiritual, isto é religioso – isso é ótimo"! Mas se eu falar sobre relacionamentos extra-conjugais, o espiritual e o religioso ficam imediatamente ofendidos.
Mas eu estou dizendo a mesma coisa. Falar sobre não-possessividade é abstrato, falar sobre relacionamento extra-conjugal é concreto. E você não pode viver com abstrações, você tem que viver com a vida concreta.
E o que o homem pode fazer de errado? Se um homem está cansado da mesma mulher – os mesmos contornos, a mesma geografia, a mesma topografia – de vez em quando um pouco de geografia diferente, uma paisagem pouco diferente...e ele chega em casa novamente interessado em explorar o velho mapa. Ele dá uma pausa, um coffee break. E depois de cada coffee break novamente pode se envolver na mesma obra, os mesmos arquivos, e você pode abri-los e começar a trabalhar. A pausa para o café ajuda você.
Eu não quero que as pessoas se interessem em ideais impossíveis. Eu não sou um idealista em tudo. Sou pé-no-chão, pragmático, realista.
Se as pessoas querem viver juntas em uma profunda intimidade, eles não devem ser possessivas. Eles devem permitir a liberdade. E isso é o relacionamento extra-conjugal, é liberdade.
Osho, Philosophia Ultima, Talk #3

3 comentários:

Postar um comentário